OBRA     AUTOR
         


Vitrola dos Ausentes
Clique aqui e leia um trecho.


Nova Edição



Clique aqui e leia.


DEMAIS LIVROS


Glaucha
Clique aqui e leia um trecho.



Iberê
Clique aqui e leia um trecho.




Valsa dos Aparados
Clique aqui e leia um trecho.




Missa para Kardec
Clique aqui e leia um trecho.



Quando cai a neve no Brasil
Clique aqui e leia um trecho.


Cozinha Gorda
Clique aqui e leia um trecho.


As luas que fisgam o peixe
Clique aqui e leia um trecho.

Coletâneas


Meia encarnada, dura de sangue
Clique aqui e leia um trecho.



Cem Menores Contos

Clique aqui e leia um trecho.



Contos Cruéis

Clique aqui e leia um trecho.



Contos do Novo Milênio

Clique aqui e leia um trecho.




 

segunda-feira, janeiro 7

Cem histórias para Bom Jesus

Em 2013, BOM JESUS completa cem anos – e, para celebrar a data redondinha, o escritor PAULO RIBEIRO vai lançar uma coletânea com exatamente cem crônicas. Segundo o autor bom-jesuense, o livro “pretende ser um olhar do cotidiano para o lugar, uma espécie de história não oficial”.
A publicação de Bonja será da editora Belas Letras – e a capa estampará uma imagem clicada por Rafael Dutra Borges, fotógrafo também de Bom Jesus. O lançamento está previsto para março, complementando o painel sobre a cidade serrana campeã de baixas temperaturas no Estado com Quando Cai a Neve no Brasil – outra coletânea de crônicas de Ribeiro, editada pela Artes e Ofícios em 2004. Confira aí abaixo em primeira mão um trechito de Bonja:
“Mas voltemos ainda no tempo, tempo brabo, à Revolução de 23. A revolução mata nosso intendente, invade nossas casas, queima os papéis da prefeitura. A Casa do Povo restava ultrajada. O busto de Antônio Ignácio Velho é colocado na praça. Nossa praça que será remodelada, em 1942, por Iberê Camargo, maior pintor brasileiro do século que passou.
Os Zambelli, de Caxias, vieram de Milão. Eram santeiros, entendiam de arquitetura, e mandaram pra cá Edmundo Valentim. Santo de casa fazendo milagres, nossa singela arquitetura vai enriquecer. É de Zambelli a praça reinventada em 68, a calçada com nós de pinhos que ainda hoje pisamos".

Nota da coluna Contracapa, de Roger Lerina, na Zero Hora de hoje.

Links to this post:

Criar um link

<< Home